150.000 portugueses sofrem de Lombalgia

A dor lombar está entre as que mais aflige os portugueses. Stress, vida sedentária, obesidade e má postura são fatores de risco.

Lombalgia Rui Delgado, Ortopedista, Especialista em Lombalgia do Hospital Curry Cabral, alerta para a elevada prevalência da dor lombar entre os portugueses. Em Portugal, à semelhança do resto da Europa, subsiste a tendência para subvalorizar a dor como um sintoma menor. Contudo, a dor em geral e a Lombalgia em particular representa a principal causa de absentismo laboral no nosso país. São cerca de 1.400.000 dias de trabalho que se perdem por ano. Calcula-se que 80% da população tem pelo menos uma vez na vida um episódio de Lombalgia.

"Devido à pouca educação para a saúde e fraca consciência do seu próprio corpo, os doentes tendem a sobrevalorizar a dor Lombar. É necessária uma mudança de mentalidade não só dos clínicos mas dos próprios doentes. Embora a dor lombar possa ser a manifestação de uma doença que requeira cuidados diferenciados, na grande maioria das vezes ela é apenas devida ao stress, más posturas, fadiga muscular ou artrose.

Controlar o excesso de peso, gerir os níveis de stress, fazer exercício físico regular e manter uma postura correta ajuda a prevenir a Lombalgia.

"A Lombalgia afeta cerca de 150.000 portugueses e é mais frequente nas populações citadinas. Há menos jovens doentes que idosos. Entre os 20 e os 30 anos a prevalência é de 5%, sendo predominante nos homens. A partir dos 60 anos a prevalência aumenta para os 20%, afetando mais as mulheres, e está principalmente relacionada com a degenerescência articular na coluna vertebral", refere o especialista.

Fonte: Grupo GCI





Estudo realizado em 2014 revela...

Um terço dos portugueses têm dores lombares, destacando-se o facto de as mulheres serem as mais afetadas por estes problemas (quase 40%).

Há ainda mais de dois milhões com hipertensão arterial ou a referir ter dores cervicais e de pescoço ou artroses.

Fonte: Instituto Nacional de Estatística, em colaboração com o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), 2014