PORQUE RAZÃO A MASSAGEM AJUDA OS ATLETAS

Há uma boa razão para os terapeutas de massagem desportiva fazerem parte da comitiva de um corredor de elite e para os efeitos da massagem se prolongarem após a corrida.

Uma massagem, mesmo profunda e intensa é excelente. Os atletas relatam que a massagem ajuda a diminuir a tensão muscular e melhora a amplitude de movimento, ao mesmo tempo que os relaxa e faz sentir recompensados pelos duros esforços a que se sujeitam.

No entanto, apesar da popularidade da massagem e da reputação positiva, há pouca evidência científica para apoiar porque os atletas se sentem tão bem. "Pode ser difícil fundir a ciência com a medicina alternativa", diz Justin Crane, Ph.D., pesquisador da Universidade McMaster, que realizou alguns dos primeiros estudos objetivos sobre massagem em 2012. Os atletas afirmam que alivia a dor muscular, favorece a circulação, liberta toxinas e ácido láctico do corpo, e melhora o movimento articular. Mas a ciência não tinha confirmado ainda estas evidências… até agora. Pesquisas recentes mostram o que é verdade e o que não é.

Primeiro, vamos esclarecer o seguinte: A ciência não apoia algumas crenças arraigadas sobre massagem. "Ela não retira as toxinas dos músculos para a corrente sanguínea", diz JoEllen Sefton, Ph.D., professor associado de cinesiologia na Universidade de Auburn, que praticou massagem terapêutica. "Fisiologicamente isso não é possível." Nem parece retirar o ácido láctico dos músculos, diz Crane, que analisou amostras de músculo após serem sujeitos a esforço até a exaustão e depois receberem uma massagem de 10 minutos. "As pessoas presumiram que porque o ácido láctico parece queimar e a massagem reduz a dor, então deve ser porque elimina o ácido láctico".

O que a massagem faz é aplicar pressão nos músculos e outros tecidos, como tendões, ligamentos e fáscia (que envolve os músculos como uma embalagem). "Essa energia amolece o tecido fascia e permite o relaxamento muscular", diz Sefton. Também remove aderências entre a fáscia e os músculos permitindo maior liberdade de movimento. Isso é uma grande notícia, especialmente para os corredores, que dependem de articulações e músculos ágeis para o máximo desempenho sem dor.

A maior descoberta da ciência é sobre o que a massagem pode fazer pela recuperação do atleta. Estudos publicados na Journal of Athletic Training e do British Journal of Sports Medicine descobriram que a massagem após o exercício reduziu a intensidade da dor muscular tardia, isto é, a sensação de "perna pesada" que se sente no 2º dia após uma maratona. E outras pesquisas sugerem que melhora a função imunitária reduzindo a inflamação.

O pesquisador Mark Rapaport, da Universidade Emory em Atlanta, EUA, descobriu que apenas um tratamento de massagem resultou num aumento do número de vários tipos de linfócitos (glóbulos brancos que desempenham um papel fundamental no combate às infeções) e ao mesmo tempo, diminuiu os níveis de cortisol, a hormona corticosteroide responsável pelo stress e relacionada com a inflamação crónica. "São necessárias mais pesquisas, mas é razoável afirmar que a massagem pode ajudar os corredores castigados pelo esforço", diz Rapaport. Também pode ajudar a reduzir doenças crônicas. "Sabemos que a inflamação está associada a uma série de efeitos destrutivos, tais como ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, e que predispõe as pessoas ao cancro", afirma.

A pesquisa de Crane, publicado na revista Science Translational Medicine, descobriu menos inflamação em atletas massajados e 30% no aumento de produção de um gene responsável pela construção de mitocôndrias (os "motores" que transformam os alimentos de uma célula em energia e facilitam a sua reparação).

"O que vimos sugere que a massagem fornece ao atleta uma maior capacidade de treino, a possibilidade de treinar mais duro e acelera a recuperação, permitindo o retorno ao treino, dois dias após uma competição”.

Estudos em coelhos confirmam a previsão de Crane. Em Ohio State University, Thomas Best, MD, Ph.D., colocou um dispositivo que simula a massagem e regista a pressão aplicada. "Comprovámos uma recuperação de 50 a 60% na função muscular em comparação com a ausência de massagem".

A nova evidência é tão convincente que até mesmo os pesquisadores passaram a receber massagem regularmente como parte da sua rotina.

Como resultado das suas descobertas, Crane, Rapaport e os restantes investigadores tornaram-se adeptos devotos da massagem e recomendam que os atletas sigam o exemplo.

A massagem regular pode aumentar a recuperação e ser um instrumento valioso ao potenciar o treino ajudando o atleta a melhorar o seu desempenho. "A rigidez muscular pode destruir o progresso do atleta e levar a problemas maiores com o tempo", diz Sefton.

Texto original de Kelly Bastone (publicado em Março 2014 na Runner´s World)

NOTA da Mass Body: Temos por diversas vezes afirmado e desmistificado a redução de ácido lácteo através de processos de massoterapia. Concordamos que de facto existe atualmente pouca evidência na sua redução, sendo os resultados observados muito residuais. No entanto, neste estudo, consideramos também que a observância de resultados sobre a redução de ácido lácteo numa massagem de apenas 10 minutos é manifestamente inconclusivo.