Massagem Terapêutica: alternativa à Medicina Tradicional

Pesquisas efetuadas nos últimos anos mostram que a massagem terapêutica potencia a resposta do sistema imunitário em mulheres com cancro da mama, melhora os sintomas de asma em crianças, ajuda bebés prematuros na tarefa crucial de recuperação de peso e aumenta a força em pacientes com síndrome do túnel cárpico.

Será a massagem melhor que a toma de analgésicos?

Os efeitos vão muito para além do relaxamento e bem-estar sentidos após uma massagem. Desde 2007 que o American College of Physicians e o American Pain Society incluem a massagem como uma das recomendações para o tratamento da dor lombar.

Novas pesquisas revelam o que acontece ao corpo durante uma massagem. Após 45 minutos deteta-se redução de cortisol no sangue, a conhecida “hormona do stress”, decréscimo na proteína citosina relacionada com inflamações e reações alérgicas e incremento dos glóbulos brancos, responsáveis pelo combate infecioso.

“Existem evidências que a massagem contribui na redução da dor, onde a medicina convencional não tem resposta” – refere Jack Killen, diretor do National Center for Complementary and Alternative Medicine (organismos pertencente ao National Institutes of Health).

Factos resultantes de recentes pesquisas

  • 20 minutos de massagem em 60 crianças com asma, todas as noites durante 5 semanas, resultaram em melhorias significativas na função respiratória


  • 10 minutos de massagem estimulam a produção mitocondrial e reduzem as proteínas associadas ao processo inflamatório muscular devido à exaustão provocada pelo exercício


  • Massagem aplicada em casos de osteoartrite no joelho, mostram melhorias significativas dos sintomas. O grupo de pacientes sujeito a 2 massagens semanais durante 4 semanas, teve menos dores e recuperou substancialmente o movimento articular em relação ao grupo que manteve apenas o tratamento médico tradicional


Um estudo realizado pelo Science Translational Medicine Journal em pessoas saudáveis revela que uma massagem de 10 minutos promove a recuperação muscular após o exercício.

Mark Hyman Rapaport, o autor do estudo e president do Emory University School of Medicine em Atlanta (US), diz que começou a estudar os efeitos da massagem porque a sua mulher recebia massagem frequentemente.

"Eu pensava que era uma extravagância, um luxo apenas para pessoas ricas.”

Agora, Rapaport recebe regularmente massagem pelo menos uma vez por mês e o seu grupo de estudos iniciou uma pesquisa sobre os benefícios em casos de ansiedade.

Fonte: Wall Street Journal