Estudos recentes sugerem que a massagem melhora a recuperação e aumenta a performance!

Muitos triatletas não dispensam a massagem. Podem não ter ideia de como funciona, mas são inabaláveis na certeza de que resulta.

Isso sente-se. Uma boa massagem retira a dor pós-treino e a rigidez muscular. Um regime regular de massagem semanal mantém o corpo solto e flexível e aumenta a liberdade e amplitude de movimentos.

Um recente estudo publicado na revista Science Translational Medicine fornece a primeira evidência fisiológica que a massagem realmente faz algo, e talvez bem mais do que até mesmo os seus adeptos mais entusiastas alguma vez pensaram.

O principal autor do estudo, Mark Tarnopolsky, é professor de neurologia da Universidade McMaster, em Hamilton, Ontário, e também um corredor de pista.

Sendo um especialista em biologia celular, concebeu o primeiro estudo utilizando biópsias musculares para investigar os efeitos da massagem ao nível celular com a ajuda de perfis genéticos. Esta técnica permite aos investigadores ver se determinados genes são "ligados" ou "desligados" por uma intervenção específica, como massagem.

Os atletas que participaram no estudo receberam massagem apenas numa perna após um treino. Foi então realizada uma biópsia muscular a cada perna e analisadas as diferenças na expressão genética.

arnopolsky descobriu que os genes que regulam a inflamação, que normalmente são ativados pelo exercício, eram menos ativos após a massagem.

Surpreendentemente, também descobriu que os genes responsáveis pela síntese de novas mitocôndrias, a parte da célula responsável pela geração de energia nas células musculares, estavam mais ativas depois da massagem.

A criação mitocondrial é uma das respostas fundamentais para o treino de resistência pois aumenta a capacidade aeróbica.

Tarnopolsky tornou-se um convertido adepto da massagem desportiva.

Fonte: Edição de Outubro 2012 da revista “Inside Triathlon”